Tag Archives: trânsito

19/08 – Dia Nacional do Ciclista

Acordei e vi algumas páginas do facebook compartilhando que hoje seria o dia nacional do ciclista. Supostamente o dia seria instituído pelo PLC 43/08, mas não consegui descobrir informações sobre a aprovação ou não do projeto.

Ainda assim, acho que a reflexão é sempre válida acerca do tema. Hoje sendo dia nacional do ciclista, é um dia pra pensar sobre como a mídia e a publicidade tratam a bicicleta e o ciclista.

Já fiz a brincadeira algumas vezes, procure aí duas notícias sobre acidentes. A que envolve um automotor vai ter uma manchete que vai ser parecida com algo assim:
“Ônibus atinge carro na Rua A com Rua B, os feridos já foram retirados”

Enquanto a que envolver uma bicicleta vai ser algo assim:
“Ciclista sofre acidente com ônibus na Avenida C”

O ciclista é protagonista do seu acidente, o ator dele. O motorista nunca é. Quem é protagonista é seu carro, seu motor. Como se fosse uma entidade descolada que as vezes se torna cruel e causa acidentes.

Pra piorar, muitas vezes a vítima não é o ciclista, não é o pedestre, nem os que estavam dentro do automotor. É o trânsito. Essa entidade não encarnada.

BR-116 é liberada após acidente com morte, mas trânsito segue lento

(http://www.jornalvs.com.br/_conteudo/2014/02/noticias/regiao/19235-br-116-e-liberada-apos-acidente-com-morte-mas-transito-segue-lento.html)

Uma pesquisa mostrou recentemente:

Acidentes mataram 500 mil em dez anos
Acidentes mataram 500 mil em dez anos

A nossa cultura incentiva o carro como liberdade individual. Qualquer um que afronte o carro está indo contra essa mentalidade, contra essa dita liberdade. É só lembrar todo a indignação de diversos motoristas com relação a lei seca até hoje. Talvez você mesmo lendo esse texto deve pensar: “Mas vai, você não pode achar que é razoável que por causa de um chopp eu não possa pegar meu carro!?”; enquanto o outro lado, muito mais problemático e sombrio, não é pensado: “Você não pode achar que é razoável arriscar a vida de diversas pessoas no seu caminho por causa da sua, suposta, liberdade de beber e dirigir?”

Li esses dias em um texto do Sakamoto:

Tempos atrás, vi uma cena de um carrinho de bebê que, aos trancos, salvou-se de ser atropelado por um possante prateado. O motorista ainda teve a pachorra de abrir o vidro para xingar uma mãe de guarda-chuvas por atravessar em faixa de pedestres num dia molhado. Eisenstein nem precisaria da escadaria para filmar “O Encouraçado Potemkin” por aqui. Dane-se que é um carrinho de bebê. Se não funciona com um motor à explosão, não pode estar na rua.

Então a minha sugestão hoje, como ciclista, no suposto dia do ciclista é que façamos uma reflexão não só sobre o lugar e o espaço do ciclista nas ruas. Mas sim que façamos uma reflexão sobre os automotores que nela trafegam hoje em dia. Sobre o real espaço que dedicamos aos carros. Sobre como queremos cidades para pessoas, e não para carros, cidades mais humanas.

Feliz dia nacional do ciclista.