Tag Archives: Google Plus

Facebook, aplicativos e a privacidade

Começo esse post com uma afirmação sem medo de estar errado: privacidade e facebook não andam juntos. Não se pode ter um com o outro. E a cada dia que passa, isso é mais verdade.

Recentemente o Lulu foi o assunto mais falado de toda a internet. Vários textos foram escritos sobre o app e eu não vou aqui falar sobre o aplicativo em si, mas se você quer ler mais sobre ele, aqui vão ótimos textos pra você:

“Lulu”, machismo invertido? por Marília Moschklovich
Clube da Lulu e a objetificação masculina por Olga

Mas o meu ponto mesmo é sobre privacidade, e aí a gente entra em outro rabbit hole.

Toda vez que converso com pessoas que não tem um background de computação, elas parecem não fazer idéia quanto privacidade é cada vez menos o conceito que se imagina. A privacidade, como as pessoas entendiam há alguns anos atrás, existe menos a cada dia. Cada vez que você escreve um novo post no seu facebook, ou faz uma nova pesquisa no google, mesmo que não esteja realmente associado a você, esses dados criam uma identidade virtual que já tem todas as informações relevantes. Por isso “anúncios relevantes”, por isso quando você busca por um produto que te interessa o facebook mostra sobre aquilo na sua timeline, o google mostra aquilo nos ads que aparecem pra você nas páginas.

A Target, loja americana de varejo, tem um cartão fidelidade que dá diversos descontos. A partir dos dados desse cartão de fidelidade, ela consegue prever quando as suas clientes estão grávidas e quanto tempo aproximadamente falta para elas terem o bebê e com essas informações oferecem cupons de desconto direcionados. [1]

Em outro artigo, entrevistaram especialistas em segurança sobre o que deveria ser feito para ficar anônimo no mundo moderno e as respostas são assustadoras[2]. Dentre elas, um cara descobriu que o dispositivo que ele usa pra passar em pedágios sem pagar (como aqueles usados por aqui na Linha Amarela e em shoppings) também era usado pra rastrear por onde o carro dele passava. Supostamente essa informação é usada para obter informações sobre como está o trânsito na cidade, a partir da massa de dados dos diversos carros que usam o dispositivo. Mas qualquer um que tenha acesso a essa banco de dados também pode saber por onde você anda e quando.

Quando entramos na discussão sobre Facebook, Google Plus, Twitter e diversas outras redes sociais, batemos em vários problemas. Dentre eles, a “censura” de conteúdo. Embora o conteúdo na maioria das redes sociais não seja de fato censurado, o Facebook muda o modo como você se relaciona com as coisas compartilhadas pelos seus amigos escondendo os posts que seus algoritmos julgam apropriados. É fácil de notar isso: escolha um amigo da sua timeline com quem você tenha pouco contato (aquele seu amigo de colégio que você adicionou mas nunca trocou uma mensagem) e você vai ver que nem todos os posts dele apareceram pra você. E mesmo os que aparecem, aparecem numa ordem escolhida pelos algoritmos do Facebook, baseado no que ele acha que é o mais relevante para você. Isso é especialmente notável no caso das páginas que podem ser criados para negócios, pessoas públicas, bandas e etc. Nesse caso, os algoritmos dão ainda mais prioridades para posts pagos, e os que não são pagos muitas vezes não são entregues pra boa parte da audiência. Há diversos posts apontando sobre como possívelmente posts não pagos perdem audiência para posts pagos. [4]

O Google Reader, extinto pelo Google recentemente, usava o protocolo de RSS e Atom, que são dois protocolos abertos de divulgação de conteúdo. Nesse tipo de serviço (hoje em dia disponível através do The Old Reader, Feedly, Digg Reader, etc) TODO o conteúdo compartilhado por um feed que o usuário siga é entregue para o usuário e essa seleção é feita pelo receptor, não pelo serviço que entrega os feeds. Assim, um blog, como este, pode entregar todo o seu conteúdo e o filtro é o próprio usuário e não algoritmos especializados.

Ainda sobre as redes sociais, temos os seus termos de uso e privacidade sempre complicados e com vários poréns. No caso do Lulu (e qualquer outro aplicativo do facebook, na verdade), o catch é que segundo o facebook, sua foto de perfil e seu nome são informações públicas [3], ou seja, quando um amigo seu se inscreve um aplicativo e entrega as informações sobre a rede de amigos que ele possui, a sua foto e o seu nome vão para esse aplicativo, sem a sua permissão, porque você já deu permissão para que isso acontecesse quando criou a sua conta.

O problema é enorme, e há ramificações para todo lado. Um bom ponto de partida sobre o assunto é ler sobre Neutralidade da Rede [5]. Outro ponto de partida é ler sobre como o facebook trata os seus dados, mesmo quando deletados [6]. Por fim, há um artigo sobre vigilância e controle de conteúdo no Capitalismo em Desencanto que fala sobre esses e outros pontos, com ótimos links[7].

Da próxima vez que for compartilhar um dado no facebook, pense duas vezes se aquele dado realmente é público. Porque mesmo quando você não compartilhar ele com o mundo, alguém que você não conhece pode estar vendo ele do outro lado.

[1] – How Target Figured Out A Teen Girl Was Pregnant Before Her Father Did (artigo em inglês)
[2] – Think You Can Live Offline Without Being Tracked? Here’s What It Takes (artigo em inglês)
[3] – Política de uso de dados do Facebook
[4] – Disruptions: As User Interaction on Facebook Drops, Sharing Comes at a Cost (artigo em inglês)
[5] – Neutralidade da Rede
[
6] – Think Your Deleted Facebook Posts Are Really Deleted? Guess Again (artigo em inglês)
[7] – Vigilância e controle de conteúdo na internet