Category Archives: Nerdish

E se ao invés de Uber tivesse uma alternativa aberta, tipo um OpenTaxi?

Curto a idéia do Uber: pagamentos pelo aplicativo, motoristas avaliados e essas coisas que meio que permeam a internet hoje em dia. Mas não curto a empresa, suas técnicas estão longe de ser “legais”: [The latest Uber scandal, explained] [Uber Driver Deemed Employee By California Labor Commission] [I was an undercover Uber driver]

E tem mais um ponto: eu sou a favor dos taxis serem agenciados pelo estado. Acho que taxi, como um transporte público que integra a malha de transportes do estado, também tem que ter suas concessões como parte do planejamento do estado de alguma maneira.

E aí eu andei pensando, e se a gente tivesse a união entre as duas coisas? Senta que lá vem viagem.

Imagina uma mistura entre Uber e EasyTaxi de código aberto. Esse software, que teria seu código disponível pra ser auditado por qualquer um, faria esse papel de controlar a frota e também teria aplicativos para as plataformas de modo que fosse possível chamar taxis por dentro dele, além de efetuar pagamentos também por dentro do aplicativo.

O ideal seria o software ser gerenciado (em termos de custos de manutenção pra manter tudo funcionando) em um esquema de cooperativa entre os taxistas participantes (ou ainda, aproveitando o que já existe, seria coordenado pelo sindicato dos taxistas de cada lugar).

Os custos do sistema seriam um custo fixo para o taxista (que seria pelo custo da infraestrutura) e um custo que viria do gateway de pagamento sendo escolhido pelo sindicato que estivesse mantendo aquela “versão” do aplicativo. Todo o dinheiro da corrida, tirando o custo do pagamento, iria para o bolso do taxista.

Para melhorar, o ideal seria que tivesse alguma maneira (boletos, cartões pré-pagos?) para que quem não tivesse cartão de crédito também pudesse pagar pelo aplicativo.

Todos os dados do sistema estariam disponíveis para serem auditados publicamente, tanto pelo estado, quanto pelos usuários. O estado fica mais eficiente sabendo quanto os taxistas estão ficando ociosos e a duração das suas corridas, e o usuário pode ficar mais em cima de problemas acontecendo nos taxis.

Ao fim de cada corrida, o usuário avaliaria o taxista e no caso de uma nota abaixo da média, informaria os problemas que seriam acumulados no perfil do taxista para uma auditoria posterior.

Claro que tem alguns problemas a serem resolvidos nessa idéia: será que ser gerenciado por cada cooperativa é uma coisa eficiente? Ou será que era melhor fazer uma fundação (tipo a Free Software Foundation) que ficasse responsável pela implementação e manutenção do sistema?

Acho que seria um caminho melhor e mais próximo do que eu acho ideal, mais próximo da socialização do uber. [Socialize Uber]

Internet Video Game Library: a experiência de lançar um projeto

Um dos meus projetos mais velhos finalmente está no ar e eu acho que vale a pena falar um pouco sobre a experiência.

Uma introdução

No ensino médio conheci um amigo que guardava planilhas com os jogos que ele tinha, os que ele já tinha terminado e os que tinha emprestado.
Nessa época comecei a guardar os meus em uma também, mas em 2003 planilhas eram coisas muito etéreas, quando formatar seu SO (win.. cof.. dows.. cof.. cof..) eram coisas rotineiras, era fácil perder uma por descuido. E várias vezes perdi o conteúdo delas.
Comecei a ler mais portais de jogos e acabei desenvolvendo alguns métodos, ainda que primitivos, de guardar que jogos eu tinha jogado, quais eu queria em alguns desses, principalmente o gamespot.

A internet evoluiu desde então, e com isso, alguns novos serviços apareceram. Conheci sites e tracking de outras coisas: livros, filmes, seriados, cerveja, vinho, lugares. Usei todos os sistemas de tracking de jogos que eu conheci pelo caminho: Raptr, PlayFire, Backloggery, HowLongToBeat, Alvanista, EstouJogando. Nenhum deles me deixou muito feliz, até que recentemente eu voltei a usar planilhas (dessa vez, do Google Drive) pra manter meus jogos e quando eu os terminei.

Conhecendo o Goodreads

Em 2012 conheci o Goodreads. Na época, usava o skoob pra guardar os livros que eu lia. Achei o sistema incrível, diversas edições, suporte a várias línguas, ratings unificados. Era tudo que eu queria pra um site de jogos.

A difícil criação do Internet Video Game Library

O IVGLib ficou em gestação algumas vezes. A primeira vez tentei usar o Google App Engine para fazer, mas java nunca foi minha praia e eu entrei no barco durante os meses que seguiram uma atualização major na plataforma. Na época, o projeto tinha o codinome SEMAG. E com isso ele ficou de lado.

Um tempo depois, resolvi tentar retomar o projeto, dessa vez usando algum framework de PHP. Li sobre alguns, tentei usar o FuelPHP, e mais uma vez a falta de documentação, algumas frustrações pra fazer coisas que eu achava que eram básicas acabaram me fazendo mais uma vez largar o projeto de lado.

Do meio do ano passado pra cá eu vinha tentando aprender Ruby on Rails, fazendo homeopaticamente o tutorial do ruby.railstutorial.org e a parada foi fluindo. Em janeiro, durante as minhas férias, finalmente recomecei o projeto, dessa vez em Rails.

Desenvolvimento e tecnologias

Rails é um negócio incrível, você pensa em fazer uma parada e tem uma Gem pra fazer isso. (o que também é verdade pra muitas linguagens mais novas, antes que me joguem pedras).

Assim que comecei a fazer o sistema e me animei, registrei o domínio (um monte deles, na verdade), defini um MVP e saí fazendo a parada. Passei parte das minhas férias de janeiro debruçado sobre o PC fazendo o início do sistema.

Atualmente, o sistema tá uma sopa de nomes de serviços e aplicações: Tô hospedando o código no Heroku, com a busca usando o ElasticSearch através do SearchBox, usando coisas do Amazon AWS pra armazenamento de imagens e etc.

É muito doido ficar nessa de DevOps, nunca tinha ficado nessa posição antes e tá sendo uma experiência bem curiosa.

Go Live Day, by DevOps Reactions
Go Live Day, by DevOps Reactions

Apesar disso, meu MVP tá lá. Mil e umas funcionalidades legais pra implementar nos próximos dias. Diversos jogos pra cadastrar. Enfim, muito trabalho.

Nos próximos dias vai ser tempo de esmagar bugs antes de voltar pro roadmap e implementar os próximos passos. Parece que vai ser um longo e interessante caminho :)

Facebook, aplicativos e a privacidade

Começo esse post com uma afirmação sem medo de estar errado: privacidade e facebook não andam juntos. Não se pode ter um com o outro. E a cada dia que passa, isso é mais verdade.

Recentemente o Lulu foi o assunto mais falado de toda a internet. Vários textos foram escritos sobre o app e eu não vou aqui falar sobre o aplicativo em si, mas se você quer ler mais sobre ele, aqui vão ótimos textos pra você:

“Lulu”, machismo invertido? por Marília Moschklovich
Clube da Lulu e a objetificação masculina por Olga

Mas o meu ponto mesmo é sobre privacidade, e aí a gente entra em outro rabbit hole.

Toda vez que converso com pessoas que não tem um background de computação, elas parecem não fazer idéia quanto privacidade é cada vez menos o conceito que se imagina. A privacidade, como as pessoas entendiam há alguns anos atrás, existe menos a cada dia. Cada vez que você escreve um novo post no seu facebook, ou faz uma nova pesquisa no google, mesmo que não esteja realmente associado a você, esses dados criam uma identidade virtual que já tem todas as informações relevantes. Por isso “anúncios relevantes”, por isso quando você busca por um produto que te interessa o facebook mostra sobre aquilo na sua timeline, o google mostra aquilo nos ads que aparecem pra você nas páginas.

A Target, loja americana de varejo, tem um cartão fidelidade que dá diversos descontos. A partir dos dados desse cartão de fidelidade, ela consegue prever quando as suas clientes estão grávidas e quanto tempo aproximadamente falta para elas terem o bebê e com essas informações oferecem cupons de desconto direcionados. [1]

Em outro artigo, entrevistaram especialistas em segurança sobre o que deveria ser feito para ficar anônimo no mundo moderno e as respostas são assustadoras[2]. Dentre elas, um cara descobriu que o dispositivo que ele usa pra passar em pedágios sem pagar (como aqueles usados por aqui na Linha Amarela e em shoppings) também era usado pra rastrear por onde o carro dele passava. Supostamente essa informação é usada para obter informações sobre como está o trânsito na cidade, a partir da massa de dados dos diversos carros que usam o dispositivo. Mas qualquer um que tenha acesso a essa banco de dados também pode saber por onde você anda e quando.

Quando entramos na discussão sobre Facebook, Google Plus, Twitter e diversas outras redes sociais, batemos em vários problemas. Dentre eles, a “censura” de conteúdo. Embora o conteúdo na maioria das redes sociais não seja de fato censurado, o Facebook muda o modo como você se relaciona com as coisas compartilhadas pelos seus amigos escondendo os posts que seus algoritmos julgam apropriados. É fácil de notar isso: escolha um amigo da sua timeline com quem você tenha pouco contato (aquele seu amigo de colégio que você adicionou mas nunca trocou uma mensagem) e você vai ver que nem todos os posts dele apareceram pra você. E mesmo os que aparecem, aparecem numa ordem escolhida pelos algoritmos do Facebook, baseado no que ele acha que é o mais relevante para você. Isso é especialmente notável no caso das páginas que podem ser criados para negócios, pessoas públicas, bandas e etc. Nesse caso, os algoritmos dão ainda mais prioridades para posts pagos, e os que não são pagos muitas vezes não são entregues pra boa parte da audiência. Há diversos posts apontando sobre como possívelmente posts não pagos perdem audiência para posts pagos. [4]

O Google Reader, extinto pelo Google recentemente, usava o protocolo de RSS e Atom, que são dois protocolos abertos de divulgação de conteúdo. Nesse tipo de serviço (hoje em dia disponível através do The Old Reader, Feedly, Digg Reader, etc) TODO o conteúdo compartilhado por um feed que o usuário siga é entregue para o usuário e essa seleção é feita pelo receptor, não pelo serviço que entrega os feeds. Assim, um blog, como este, pode entregar todo o seu conteúdo e o filtro é o próprio usuário e não algoritmos especializados.

Ainda sobre as redes sociais, temos os seus termos de uso e privacidade sempre complicados e com vários poréns. No caso do Lulu (e qualquer outro aplicativo do facebook, na verdade), o catch é que segundo o facebook, sua foto de perfil e seu nome são informações públicas [3], ou seja, quando um amigo seu se inscreve um aplicativo e entrega as informações sobre a rede de amigos que ele possui, a sua foto e o seu nome vão para esse aplicativo, sem a sua permissão, porque você já deu permissão para que isso acontecesse quando criou a sua conta.

O problema é enorme, e há ramificações para todo lado. Um bom ponto de partida sobre o assunto é ler sobre Neutralidade da Rede [5]. Outro ponto de partida é ler sobre como o facebook trata os seus dados, mesmo quando deletados [6]. Por fim, há um artigo sobre vigilância e controle de conteúdo no Capitalismo em Desencanto que fala sobre esses e outros pontos, com ótimos links[7].

Da próxima vez que for compartilhar um dado no facebook, pense duas vezes se aquele dado realmente é público. Porque mesmo quando você não compartilhar ele com o mundo, alguém que você não conhece pode estar vendo ele do outro lado.

[1] – How Target Figured Out A Teen Girl Was Pregnant Before Her Father Did (artigo em inglês)
[2] – Think You Can Live Offline Without Being Tracked? Here’s What It Takes (artigo em inglês)
[3] – Política de uso de dados do Facebook
[4] – Disruptions: As User Interaction on Facebook Drops, Sharing Comes at a Cost (artigo em inglês)
[5] – Neutralidade da Rede
[
6] – Think Your Deleted Facebook Posts Are Really Deleted? Guess Again (artigo em inglês)
[7] – Vigilância e controle de conteúdo na internet

Pebble, o smartwatch

Pra quem não é chegado em tecnologia, talvez não tenha ouvido falar do Pebble, o relógio com tecnologia de tela e-paper, que foi até a última vez que conferi o projeto com mais funding no kickstarter, chegando a mais de 10 milhões de dólares, quando o objetivo do funding era de meros 100 mil dólares.

Dá uma olhada no protótipo 3d da criança.
Dá uma olhada no protótipo 3d da criança.

A idéia é bem simples, um relógio com uma bateria recarregável que dura até sete dias, que é programável (ou seja, você pode mostrar a hora de diversas formas, na foto aí de cima já tem duas), se liga por bluetooth com seu celular e pode receber notificações de qualquer aplicativo, além de ter acelerômetro e tudo mais que um geek pode querer.

O relógio me ganhou na parte em que ele poderia fazer uma ponte com o RunKeeper e virar uma espécie de Garmin mais versátil.

Enquanto se corre a idéia é que o gadget se comporte assim.
Enquanto se corre a idéia é que o gadget se comporte assim.

E aí fica a pergunta, ele entrega o que promete? Ele é mesmo tudo isso? Vamos por partes

O tempo de entrega

A internet não é paciente. A internet não é razoável. O tempo estimado de entrega dos relógios era setembro de 2012. Mas claro, sendo um produto completamente novo, sendo feito em larga escala, por uma equipe que não parece ser enorme e tendo que trabalhar entre estados unidos e china não é uma tarefa fácil. Os caras tentaram ser transparentes: 33 updates no kickstarter desde abril de 2012 até agora, em março de 2013. Mas é complicado, problemas acontecem em qualquer entrega de produto, especialmente em um físico.

No geral, eu achei que eles se esforçaram pra cumprir o prazo, e não fiquei decepcionado com o tempo. Especialmente levando em consideração o produto final. O problema é as pessoas não estarem acostumadas com um modelo tipo Kickstarter, na minha opinião. Onde as coisas podem dar errado e podem atrasar.

O relógio

Peguei meu pebble hoje pela manhã. Provavelmente esse post não vai ser lançado no dia que eu peguei, até pra ter uma impressão maior sobre o tempo de bateria e tudo o mais. Mas desde então, já mudei uma coisa na minha vida: não tem mais vibração ou som no meu celular. É muito mais prático a vibração do relógio, e ver as notificações é bem tranquilo. A coisa não é bem out-of-the-box, mas instalando um appzinho auxiliar, o Pebble Notifier, fica bem tranquilo e as coisas funcionam bem, dando pra ver inclusive várias mensagens de whatsapp de uma vez só. (mas não dá pra ver aquele longo tópico de 23 messagens do grupo da galere, isso não dá.)

O exemplo de uma notificação de SMS, que vem no app do pebble
O exemplo de uma notificação de SMS, que vem no app do pebble

Uma parte meio ruim é que a tela é um imã de digital, mas como ela não é touch, não era pra você tocar nela anyway. Mas é inevitável, e em poucas horas, dava pra ver a tela meio sujinha. Nada que passar ele na camisa não resolva.

Mas que bela digital, hein.
Mas que bela digital, hein.

A caixa

Peraí, a caixa? É, a caixa merece ser mostrada, porque ela é tão bonitinha :)

O pebble bonitinho na caixinha, foto roubada do amigo Luiz
O pebble bonitinho na caixinha, foto roubada do amigo Luiz

A bateria

A bateria agrada no sentido de que tem durado basicamente o que foi prometido, entre cinco e sete dias. Tive que carregar ele algumas vezes desde que chegou, mas a duração é bem agradável e a notificação de bateria baixa aparece em tempo suficiente pra você ainda aguentar um dia inteiro com ele (da última vez assim que cheguei no trabalho a notificação de bateria baixa apareceu e só fui carregá-lo ao chegar em casa, de noite).
A única vez que ele durou pouco tempo foi durante o Lollapalooza, pois embora estivesse com o bluetooth desligado, estava com a função de acender a tela ao sacudir o braço, e vocês podem imaginar o quanto se sacode o braço durante um fim de semana de shows, né? :)

Nota para mim, sacudir o braço um fim de semana inteiro pode descarregar o pebble.
Nota para mim, sacudir o braço um fim de semana inteiro pode descarregar o pebble.

Watchfaces

Ao contrário de um relógio digital tradicional, você pode mudar a cara do seu relógio. E existe um site com muitas watchfaces e mais ainda aparecendo todo o dia, pra agradar a todos os gostos. E em breve, com a SDK mais completa, com certeza aparecerão watchfaces que estão mais pra aplicativos.

http://www.mypebblefaces.com/
http://www.mypebblefaces.com/

Considerações finais

Acho que o pebble foi um investimento muito válido. Não invasivo, ele parece um relógio normal e engana tranquilamente como se você não estivesse permanentemente conectado. Ao mesmo tempo, diminuiu o número de vezes em que pego o celular durante ocasiões sociais porque todas as notificações importantes vão até o relógio. Há ainda algumas arestas a aparar, como o fato de que o Whatsapp, mesmo em mute, ainda notifica no relógio.

De resto, que venham os dispositivos de convergência. Mal posso esperar a época em que estarei com meu pebble fazendo um review do meu mais novo Google Glass :)

Raspberry Pi: Torrents e séries

No último post eu comentei um pouco sobre o raspberry e sobre o XBMC, mas a outra coisa que precisa é botar os filmes e séries dentro dele, e ficar passando manualmente quebra um pouco o propósito de ter o negócio todo contido numa caixa só.

Como ele roda Linux, tem duas opções principais: Transmission e rTorrent.

Nunca havia usado nenhum dos dois, mas a maioria das dicas nos fóruns fala do transmission e foi o que acabei escolhendo.

Nota: Cuidado ao copiar comandos daqui, já que provavelmente o wordpress sacaneia com / e “. :)

Instalar ele é a parte fácil, assumindo que você esteja num raspbmc, basta abrir um ssh pro raspberry e fazer

apt-get install transmission-daemon

Com isso feito, pra iniciar basta fazer:

sudo /etc/init.d/transmission-daemon start

O Raspberry não tem o hardware mais poderoso do mundo, então é bom colocar algumas limitações nas configurações do transmission, as minhas são as seguintes:

Update (20-11-2012, 14:12): Todas as configurações do transmission ficam em /etc/transmission-daemon/settings.json

“download-queue-enabled”: true,
“download-queue-size”: 1,
“peer-limit-global”: 240,
“peer-limit-per-torrent”: 100,
“seed-queue-enabled”: true,
“seed-queue-size”: 9,
“speed-limit-up”: 20,
“speed-limit-up-enabled”: true

É uma boa também mudar o local de download dos arquivos. Coloquei duas pastas separadas, como o transmission permite, ficou assim (Raspberry Pi é o meu hd externo):

“download-dir”: “/media/Raspberry Pi/seeding”,
“incomplete-dir”: “/media/Raspberry Pi/downloading”,
“incomplete-dir-enabled”: true,

Não esqueça que o transmission tem que ter permissão para escrever nessas pastas. Com essas configurações e ligando o rpc, já dá pra acessar o transmission e mandar ele baixar coisas pela interface web (Não esqueça de botar seu próprio nome de usuário e password):

“rpc-authentication-required”: true,
“rpc-bind-address”: “0.0.0.0”,
“rpc-enabled”: true,
“rpc-password”: “seu-password“,
“rpc-port”: 9091,
“rpc-url”: “/transmission/”,
“rpc-username”: “seu-usuário“,
“rpc-whitelist”: “127.0.0.1,192.168.*.*”,
“rpc-whitelist-enabled”: true,

Mas não vamos ficar contentes só com isso. A boa é que quando saiam séries novas, elas sejam baixadas automagicamente. Pra isso, vamos instalar o flexget:

easy_install flexget
easy_install transmissionrpc

A configuração, que deve ficar em ~/.flexget/config.yml deve ficar parecida com essa:

Config.yml no paste.bin

Com essa configuração, ele vai baixar somente com definição de 720p, e que tenha qualidade de hdtv ou mais (dvdrip, etc).

É preciso ajustar as configurações do plugin do transmission para as mesmas usadas no rpc.

Daí basta ir nas configurações do raspbmc, pela interface do XBMC mesmo, e lá ligar o cron. Com ele ligado, basta adicionar a seguinte linha ao crontab (crontab -e):

0 * * * * /usr/local/bin/flexget –cron

Isso vai fazer com que o flexget seja chamado uma vez por hora, botando suas séries no transmission e tal :)

Ainda pretendo fazer a última parte da automatização: pegar as séries que foram baixadas e movê-las para a pasta correta e reindexar o xbmc, e já baixar as legendas. Já comecei fazendo isso tirando os que já estão com seeding completos para uma pasta separada, a partir da dica desse post. Se for usar, note que só consegui usar esse script modificando as chamadas do transmission para incluir –auth seu-usuário:seu-password

Uma segunda coisa ideal seria que as séries tivessem uma prioridade alta quando adicionadas no transmission, parando qualquer torrent que existisse para que elas fossem baixadas. Mas isso é assunto para outra vez ;)

Bônus: Tudo aqui deve funcionar para qualquer distro, com as devidas adaptações :)

Raspberry Pi: O Media Center de US$35

Talvez você tenha ouvido falar do Raspberri Pi, a idéia original era fazer um computador para construir um computador pequeno e barato pra ensinar crianças a programar. A história está bem explicada no about do site dos caras, mas basicamente a idéia é que antes existiam Commodore 64 e outros pra fazer muleques aprenderem a programar no (grande) tempo vago que toda criança tem e hoje em dia não existe um computador para esse fim.

Só que quando os caras começaram a divulgar os specs finais da parada, ficou claro que ele ia ser um computador razoavelmente poderoso por US$35. Claro que foi um pequeno frenesi entre todos os hobbyistas da internet.

As specs finais ficaram assim para o modelo B, que é o que é mais interessante:
Um processador ARM11 com 700Mhz
Uma Broadcom VideoCore IV, que suporta OpenGL ES 2.0 e 1080p30 (isso é, até 30 frames por segundo).
256Mb de ram compartilhada com a GPU.
2 portas USB
Saída HDMI e RCA para vídeo, além de uma saída de áudio 3.5mm.
Uma entrada para SD
Ethernet 10/100

Demorei pra escrever esse artigo, e nesse meio do caminho já até decidiram aumentar pra 512MB a memória do Raspberry, mas demorei porque queria amaciar mais o negócio, testar mais e saber das limitações, antes de falar bem ou mal dele.

A coisa toda é alimentada por qualquer transformador que entregue 5V a 700mA. Eu estou segurando por enquanto com meu carregador do celular.

Parece bom demais pra ser verdade? Pois é, como eu disse, um computador para hobbyistas, né? Porque ele vem assim, pelado. Só uma plaquinha sem case, sem nada.

Um Raspberri Pi ligado
O meu Raspberri Pi funcionando

Mas nem tudo está perdido. Existem algumas cases já pra ele, tipo o Pibow, ou mesmo uma dessas nove citadas nesse artigo. E enquanto a case num chega, dá pra improvisar umas de papel, que podem ser encontradas no fórum. As melhores, na minha opinião, são essa e essa.

Meu Raspberry Pi no Pibow
Meu Raspberry Pi no Pibow

Pra quem não conhece, existe um media center muito bom, chamado XBMC. O XBMC foi criado com intuito de de ser um media center pro Xbox original, mas hoje em dia funciona em diversos dispositivos, incluindo Windows, Linux, Mac OS e recentemente Android e iOS.

Rapidamente fizeram um port do XBMC para o Raspberry Pi e agora tem uma distribuição chamada Raspbmc, que inicia direto no XBMC e deixa tudo pronto para o uso do media center.

O Raspbmc, a distro que faz com que o XBMC abra na sua TV.
O Raspbmc, a distro que faz com que o XBMC abra na sua TV.

Como media center o Raspberry Pi é bem decente. Tenho visto arquivos em 720p sem problemas, a vantagem do XBMC é que ele tem um plugin de legendas que baixa a partir de grande sites, como opensubtitles e legendas.tv

É preciso lembrar, no entanto, que o raspberry só tem um ARM, que funciona normalmente a 700mhz, então não espere velocidades incríveis. Multitarefa normalmente exige muito dele, já que o XBMC não é o software mais otimizado o possível. Ou seja: NÃO é um hardware para quem quer um media center e não ligar pra mais nada. É pra quem tem paciência de parar pra configurar e debugar coisas.

Ainda há muitas coisas que não estão funcionando tão bem, esses dias descobri que colocar o sistema no hd externo, pela usb, parece dar um desempenho muito superior ao SD Card. A culpa provavelmente está no SD, que não deve ser dos mais rápidos.

Outros problemas comuns são com relação a fonte de energia. O Raspberry não tem uma fonte padrão, recomendada. O que se recomenda é que se use uma fonte qualquer, que tenha 5V de saída a pelo menos 0.7A. A do meu celular, 5V e 1A, anda segurando muito bem, mesmo em situações de muita carga no sistema. Mas pra garantir, meu hd externo tem fonte própria de força.

Ainda tenho algumas coisas pra fazer com que o Raspberry vire meu media center perfeito, mas do jeito que ele está hoje, está muito legal. Mantenho ele ligado 24/7, já tenho uma quantidade grande de filmes nele e um hd de 1TB, ou seja, vai dar pra deixar bastante coisa por lá. Fica aí a dica, mesmo que não seja um Raspberry Pi, pegue um media center pra deixar na sua TV. É ótimo!

Update 1 (16/11/12, 16:36): Esqueci de um detalhe muito importante!
O raspbmc suporta um protocolo, HDMI-CEC, que permite que o controle remoto de TVs que o suportam seja usado diretamente no XBMC, ou seja, nada de mouse ou teclado externo. Fica parecendo que o XBMC é um recurso da própria TV, super prático :)

Essa é pra quem usa Skoob

Já devo ter comentado aqui em outros posts, mas sou meio viciado em media trackers. Uso Skoob, Filmow, Orangotag, Last.Fm. Tudo que dá pra usar que mantenha lista das coisas que eu fiz, li, vi, eu acabo me associando.

Pois bem, o Skoob há um tempo atrás adicionou uma feature que é o seguinte: quando você vai lendo o livro e marcando progresso por lá, se você marcar que atingiu 100%, ele guarda a data e mostra numa listinha que tem “livros lidos no ano XX”. E ele também usa isso na hora de organizar sua lista de filmes, na sua estante.

Só que quando você clica no botão de “Lido”, ele não guarda nenhuma data. A dica é pra quem explicitar o TOC e deixar a data certinha: basta ir em “minha cópia”, e lá tem “Data de Leitura”. Com isso, a data fica certinha e ele fica no ano certo.

Okey, fim do momento TOC do dia, podem voltar aos seus afazeres :)

Google Code Jam 2012

Está chegando aquela época do ano outra vez, Google Code Jam. Há algum tempo que andei deixando os problemas de maratona de lado, mas a verdade é que me interesso muito por ficar resolvendo-os. É como se fosse um puzzle de programação que de quebra ainda me faz ficar mais afiado pro trabalho do dia-a-dia.

O registro começa amanhã, e vai até o dia do qualification round, dia 13 de abril. Na verdade, você pode se registrar durante o qualification round, e só arriscar de ter menos tempo pra fazer os problemas.

Resolvi, pra dar uma treinada, já que estou sem mexer nessa vida há algum tempo, tentar resolver um round por dia até o qualification round. Comecei hoje com o qualification round do Code Jam Africa 2010, três problemas bem tranquilos, basicamente pra acostumar com o funcionamento da ferramenta de envio e com a idéia de como devem estar formatados os problemas.

Pretendo tentar resolver na ordem que estão na página do practice, e depois começar a ir subindo o nível conforme eu for me ajustando. É bem provável que eu dê uma molengada nesse meio do caminho, então pretendo no mínimo fazer uns 30 problemas, o que dariam 10 rounds. Mas veremos :)

E vocês, estão prontos?!

 

Winter-een-mas

E mais uma vez é chegada a época do Winter-een-mas :) Um feriado de mentirinha criado pelo cara do Ctrl-Alt-Del.com

A idéia do “feriado” é simples (e a época faz mais sentido no hemisfério norte), fim de janeiro é a época de mais frio, onde geralmente acaba acontecendo de nevar e ficar preso em casa, por isso, é uma ótima época pra ficar em casa e celebrar os videogames, jogando sozinho ou com os amigos. Começa dia 25 e termina dia 31 de janeiro.

Pois bem, ontem comecei meu winter-een-mas com dois jogos, que vi no Rock Paper Shotgun:

Platformdungseffekt

Esse jogo, feito por uns alunos do digipen, tem uma idéia bem maneira. O jogo é um side scroller onde você pode segurar a tela, fazendo com que temporariamente a tela seja “warped”, como em pacman, entrando por um lado você sai por outro, entrando por cima sai por baixo.

O jogo é bem pequeno, afinal, é só um projeto de fim de curso. Mas é divertido e a mecânica poderia ser tranquilamente expandida para um jogo maior, com mais desafios.

http://www.rockpapershotgun.com/2012/01/25/platformdungseffekt-the-fourth-wall/

Cart Life

Cart Life parece que já tem algum tempo que foi lançado, mas foi parar no RPS só agora no início de janeiro. A princípio, é um Sim. Você controla um personagem através de tarefas diárias pra sobreviver. O twist do jogo é que os personagens são duros, e sobrevivem na vida de vendedores de rua, um dos personagens tem um stand de jornais, por exemplo. E tem que sobreviver com a pouca grana que tem, querendo se estabilizar na vida. O jogo é bem duro, mas sem ser pesado demais. A mecânica conseguiu ser divertida e me prendeu durante um bom tempo, pretendo terminar a história do Andrus, já a da outra personagem, não sei.

http://www.rockpapershotgun.com/2012/01/19/wot-i-think-cart-life/

E por enquanto é isso ae, galera! Vamos jogar essa semana :)