Buenos FUCKING Aires! Pt. 2

Os hermanos tem costumes um pouco diferentes do nosso, embora vivam aqui ao lado. Essas foram coisas que eu notei por lá, que é bom ficar atento :)

Simpatia

Muitos acusam os hermanos de serem ou não simpáticos, e a verdade é que assim como aqui, tem gente simpática e tem gente que não é. Claro que facilita se você, quando for pedir uma ajuda, ou fazer o pedido no restaurante, tente pedir em espanhol, e não em português gesticulando loucamente. Se você pensar no contrário, alguém falando em espanhol ou inglês aqui, é muito provável que você esbarre com gente bem mal humorada na hora de responder.

No geral tive ótimas experiências, quando perguntava sobre as coisas. Pegamos taxistas bem humorados e que conversavam bastante com a gente. E inclusive conversamos durante um bom tempo com a dona de um dos restaurantes que fomos.

Gorjeta

Isso é um ponto bem diferente. Aqui nós temos esse costume estranho de botar os 10%, que em teoria são opcionais, junto da cuenta, como se fosse parte dela. Lá eles não fazem isso. É como vem a conta do outback aqui, sem os 10%. A diferença é que lá eles não perguntam se pode incluir, só avisam que está sem a gorjeta, a propina. Inclusive, em alguns restaurantes não dá pra passar a gorjeta no cartão. E quando a gente tentava se explicar que a gente queria colocar a gorjeta, eles explicavam que ela não estava incluída na conta. Depois dos dias lá fiquei com a impressão de que é porque eles não tem um valor padrão, como são os nossos 10%, e esperam que você deixe o quanto você acha justo pelo serviço. Por isso, pague a conta normalmente e deixe 10% com o garçom ou na mesa, em dinheiro.

Tratamento

Aqui é muito comum você tratar o garçom ou a garçonete com um “Boa noite”, por lá o tratamento mais padrão pareceu ser “¡Hola!”. Dependendo da formalidade do lugar, as vezes sendo “¡Hola, Chicos!”. Acho que o único lugar que me lembro de ter sido comprimentando com um Buenas Noches foi no hotel, onde eles tinham vários hóspedes brasileiros. Na hora de pedir a conta, o já costumeiro gesto de “assinar no ar” com a mão também funciona por lá.

Essas foram as diferenças principais que eu senti com relação ao comportamento dos hermanos, com isso e as dicas do outro post acho que já é um bom caminho pra se entender por lá!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *