Tratado antropológico dos Memes

Se tem uma coisa que a internet dá para a humanidade é a possibilidade de qualquer um escrever sobre qualquer coisa que lhe vem à cabeça. Isso pode ser ruim, às vezes, mas no geral significa que você pode escrever sobre um assunto que você não tem domínio algum. Provavelmente existem pessoas nesse momento fazendo estudos profundos para uma tese de mestrado ou doutorado, e enquanto isso cá estou eu despejando linhas a meu bel prazer :)

No princípio fazíamos desenhos rudimentares nas paredes das cavernas, representando nosso dia-a-dia. Depois, conforme a arte evoluiu, as pinturas se tornaram mais rebuscadas, e embora ainda fizessemos nossos desenhos em cavernas, agora já em cadernos, ficavam restritos a certos círculos, sem ganhar notoriedade. Somente grandes artistas, com exposições em galerias chegavam e comunicar alguma coisa com seus desenhos.

E aí vieram os memes. Não os grandes memes, como o Star Wars Kid, mas os desenhos: Trollface, Forever Alone, e hoje em dia os memes são dezenas, talvez centenas. Sites como Ragemaker e Mememaker deixam que em alguns minutos uma idéía seja transformada num desenho que a maioria vá entender, e talvez seja propagado internet afora sem o seu controle.

E isso poderia ser dito sobre tweets e textos e outras mídias, mas o que acho curioso sobre os memes é que eles necessitam de pouca habilidade e podem ser somente um despejo de alguma situação da sua cabeça para uma imagem.

Enfim, divago.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *