Traduções (e dublagens, legendas, etc)

Eu não acredito em traduções. Espere, não me entenda mal, tradução é uma coisa necessária. Mas não acredito que nenhuma tradução consiga ser suficientemente fiel ao original. Explico.

Acredito que sempre que você faça alguma coisa, você bote um pouco de você naquilo. Enquanto escrevo este texto, estou colocando aqui um pouco das minhas experiências passadas, um pouco do meu estado emocional enquanto escrevo, e os meus gostos e desgostos. Isso é óbvio, pode bradar daí: “Thank you, captain obvious!”. “Eu falaria”. :)

E como nós concordamos nesse ponto, uma tradução nada mais é do que uma interpretação de texto levado ao extremo. E com uma dificuldade. Palavras “intraduzíveis”. Veja aí, é fácil achar listas e mais listas. Aqui estão alguns exemplos. É claro que você pode transformar a palavra numa frase, expressão ou algo assim. Ou, num caso mais extremo, dar uma breve explicação, numa nota ou não, e em seguida continuar usando a palavra original. Mas impõe aí uma dificuldade.

A segunda dificuldade é referências. Tenho uma edição de Hamlet que tenta cobrir esse problema. São mais de 100 notas do tradutor, tentando notar todas as referências que podem ser perdidas no processo. Sejam elas porque são mais conhecidas no lugar em que o livro foi escrito, na época, ou mesmo por causa de jogos de palavras e coisas assim.

Não sou especialista em traduções e tudo que traduzi foi por conta própria, pra uso próprio, e sem teoria ou base. Acredito, sinceramente, que conforme o tempo passe e o tradutor fique mais experiente, que parte desses problemas fiquem menos evidentes. O cara consiga ficar mais neutro, e botar menos dele no texto, mantenha o texto mais próximo do original. Mas na dúvida? Sempre que possível, leio o original.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *