Gentoo Thingies: Paludis

Há uns dias atrás eu descobri o Paludis. O Paludis é, segundo a definição do próprio site, “the Other Package Mangler”, ou em tradução livre, o Outro destruidor de pacotes. A idéia do Paludis é substituir o Portage, o gerenciador de pacotes padrão do Gentoo. A reclamação era de que o Portage, além de ter uma resolução de dependências lenta, também era muito, digamos, conivente com certos problemas e estranhezas introduzidas ao longo do tempo.

Com isso, fizeram o Paludis, apenas se baseando no Portage, mas sem seguir estritamente as mesmas regras e idéias. Feito em C++, é supostamente mais robusto e mais fácil de manter, além de ser mais duro na hora da resolução de dependências, e com isso, evitaria certos vícios que o Portage introduziu.

Nunca tive nada a reclamar do Portage, muito pelo contrário, mas sempre que dá eu dou uma investigada em coisas novas, para não acostumar. Acredito que no mundo de hoje, especialmente no meu ramo, não dá pra ficar parado muito tempo sem aprender coisas novas :)

Pois bem, resolvi então testar o Paludis. Com um certo medinho, afinal, mudar o gerenciador de pacotes da distribuição que você usa no dia-a-dia é uma parada meio bizarra e quase certa de dar erro. Fui então testando ele no pior caso de uma vez. Estava sem atualizar o meu computador há quase um mês, e de lá pra cá, nova versão do KDE saiu, isso quer dizer, mais de 100 pacotes novos, atualizando todos os pacotes do KDE.

Pois bem, segui as orientações, instalei, fiz todos os passos para ativar o cache e tudo o mais. E tentei ver se conseguia me habilitar a ele durante alguns dias. Meu saldo final é o seguinte:

Resolução de dependências

É uma bandeira bem levantada que o Paludis resolve dependências mais rápido. Na prática? Não vi diferença. Talvez em outros casos (por exemplo, menos pacotes desatualizados na árvore), ele faça diferença. Mas no meu caso,  quase nenhuma.

Resolução de Bloqueios

Comecei a usar o Gentoo em 2007. Nessa época, alguns bloqueios mais triviais, do tipo, uma versão de um software estar bloqueando a versão mais nova dele, algumas vezes aconteciam e tinham de ser resolvidos manualmente. É um passado das trevas para o qual eu não gostaria de voltar. E foi uma das primeiras coisas que vi quando rodei o Paludis. Enquanto o Portage resolveu lindamente os blocks e perguntou apenas se eu gostaria de atualizar, o mesmo comando no Paludis mostrou um block que ele não saberia resolver.

Pelo que vi, talvez isso seja By Design, mas não gostei, anyway.

Por fim, depois de mexer um pouco mais pra lá e pra cá, desisti da experiência. Enquanto lia mais sobre esse problema das dependências vi sobre a grande possibilidade do Paludis ser substituído por um outro, o Cave, por causa de algumas mudanças que vão ser feitas  no modo como são feitas as resoluções.

Enfim, de volta ao Portage. :)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *