Nintendo DS: Uma História – Parte III

Bom, a verdade é que me deu uma vontade louca de falar sobre o DS esses dias. Eu tô nessa de DS desde novembro de 2007, basicamente 1 ano depois do lançamento do DS Lite.

Então vou fazer uma série de posts falando sobre o DS e como ele chegou ao que é hoje, pelos meus olhos. Vou falar principalmente da parte de homebrew, porque acho que é a parte onde complica.

No primeiro post eu falei de origens, do GBA e dos primeiros flash carts, sem entrar em muitos detalhes.

No segundo post eu falei sobre a infância do homebrew no DS e o que era o DS quando eu comprei o meu.

Nesse terceiro e último post eu vou falar sobre como vejo hoje em dia o DS.

R4: Ladrão que rouba ladrão…

É fácil de ver que quando um produto faz sucesso, o que mais acontece é ele ser copiado até a exaustão (Vii, Polystation, dentre outros), e se isso acontece com produtos oficiais legalizados e tudo mais, imagina como não é com um flash cart, que está numa área muito cinza da legalidade?

Depois que o R4 ficou famoso, o que mais começou acontecer foram os inúmeros clones dele. Primeiro, clones com o mesmo nome, ou seja, R4 falsificados. Depois que isso ficou muito na cara, começaram a surgir clones com outros nomes. Até porque, e isso eu não sei dizer corretamente, o R4 tem um hardware igual ao M3, e eu não sei qual deles veio primeiro. Mas aí veio também o G6, o R4 SDHC, e tantos outros clones espalhados por aí.

Aí eu fico até com um pé atrás de recomendar algum flash cart quando alguém me pergunta. Porque como eu vou dizer qual deles é o melhor pra comprar? Se o R4 já hoje em dia tem grandes incompatibilidades, o que dizer dos clones?

E até onde os clones são compatíveis com os firmwares, originais ou não?

A boa coisa do R4 original é que ele roda, por exemplo, o YSMenu, que é o firmware do DSTT modificado para rodar no R4 (o que aumenta a compatibilidade, já que o R4 não tem mais seu kernel atualizado desde ’08).

Claro que além do R4, existem outros chips como o próprio DSTT, o CycloDS ou o Acekard, mas não tenho conhecimento de causa suficiente pra recomendar nenhum deles, e não sigo de perto os lançamentos em cada um pra saber como funcionam os lançamentos recentes neles.

Por isso, fica a conclusão, ao comprar seu Flash Cart hoje em dia, tome um cuidado extra. Pesquise bem nos fóruns antes de comprar seu DS pra não ficar arrependido depois.

2 thoughts on “Nintendo DS: Uma História – Parte III”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *