Nintendo DS: Uma história – Parte I

Bom, a verdade é que me deu uma vontade louca de falar sobre o DS esses dias. Eu tô nessa de DS desde novembro de 2007, basicamente 1 ano depois do lançamento do DS Lite.

Então vou fazer uma série de posts falando sobre o DS e como ele chegou ao que é hoje, pelos meus olhos. Vou falar principalmente da parte de homebrew, porque acho que é a parte onde complica.

Nesse primeiro post vamos falar de origens, vamos falar do GBA.

Nintendo GBA: Onde tudo começou

Antes do GBA, pirataria em consoles com fitas era um pouco mais complicado. Não que não existissem jogos piratas, mas você tinha que ir em algum fornecedor e comprar o jogo pirata, e só assim você ia rodar um jogo não oficial no seu portátil.

Sempre existiram cartuchos em que era possível escrever, mas em geral esses cartuchos ficavam de posse dos desenvolvedores. Existiam alguns dispositivos para fazer backups de cartuchos mas eram caros e basicamente difíceis de conseguir, ao menos no Brasil. Eram exemplos o Game Doctor SF, pra SNES. E em especial, a Bung, que fez acessórios semelhantes para Nintendo 64, Neo Geo, e GB/GBC. [1]

Embora nos EUA o Doctor V64, dispositivo de backup da Bung para N64, tenha feito sucesso, o terreno ainda não era propício, roms de N64 eram grandes pra internet na época. Era difícil armazenar um arquivo que tinha entre 4Mb e 16Mb em servidores online.

Não achei dados, mas acredito que o GBA tenha coincidido com a época do barateamento das memórias flash, como cartões de câmera, pendrives e etc. Com isso, foi muito simples fazer um cartucho nesse estilo e fazê-lo ficar barato e atrativo, com um espaço razoável. Além disso, na época, era muito fácil disponibilizar os jogos online. Fazendo assim um terreno fértil para acessórios do gênero.

Assim, ao fim da vida do GBA, era possível você comprar um dispositivo chamado Flash Cart (cartucho Flash), um exemplo era o Extreme Flash Advance, e passar seus jogos baixados da rede pra ele, e então jogar no seu GBA, sem emuladores. Assim começa o homebrew do DS.

[1] http://en.wikipedia.org/wiki/Bung_Enterprises

One thought on “Nintendo DS: Uma história – Parte I”

  1. lembro até hoje do meu gameboy… era fantástico, aqueles monstros, grandes e pesados que usavam 4 pilhas. o meu ainda era dos transaprentes. da até vontade de chorar lembrando quanto daquele mário clássico eu joguei. (o primeirão, que ele tinha que salvar a princesa de um macaco)
    abraço loondeeee

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *